Para a avicultura de corte, 2019 é um ano de reação

O ano de 2018 não deixará saudades para a avicultura de corte. Internamente, o setor foi afetado pela lenta recuperação da economia e baixos índices de confiança. Externamente, o embargo da Europa a dezenas de frigoríficos reduziu as exportações.

Esses e outros fatores, como a greve dos caminhoneiros e o aumento de custo da ração, levaram a uma queda de 0,5% na produção, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Já as exportações, também na comparação anual, caíram 5,1%, de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Na visão da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a avicultura de corte brasileira tem enfrentado inúmeros desafios nos últimos anos. No mercado interno, a crise econômica prolongada levou à estagnação no consumo, e, no mercado externo, como reflexo da Operação Carne Fraca, houve queda no volume, com embargos de mercados importantes.

De todo modo, o Brasil segue como líder mundial na produção e exportação de carne de frango. É possível dizer, portanto, que se a pujança do setor não foi capaz de estancar a crise, tampouco foi abatida por ela.

Para 2019 – e ainda bem – as perspectivas são positivas. Agentes confiam em uma recuperação, fundamentada na menor pressão de preço dos insumos, como o milho e o farelo de soja, e na intensificação do escoamento da carne aos mercados doméstico e externo. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) fala em uma produção de 13,8 milhões de toneladas, avanço de 1,8% frente ao volume de 2018.

“No Brasil, o consumo de proteínas, incluindo a de frango, deve ser incrementado pela conjuntura macroeconômica”, apontarelatório Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). “A demanda pela proteína de frango deve, ainda, ser favorecida pelo fato de essa carne ser tradicionalmente mais barata que as principais substitutas”.

Quanto às exportações, o USDA indica que o Brasil deve exportar 3,8 milhões de toneladas de carne de frango, alta de 2,4%. A União Europeia, importante destacar, acena com novas inspeções aos frigoríferos vetados, reacendendo a esperança de liberação.

Segundo a CNA, a China desponta como grande destaque. Opaís asiático enfrenta uma crise sanitária relacionada à peste suína africana, e parte do volume está sendo substituído por carne de frango. O Brasil é o fornecedor com maior possibilidade de suprir essa demanda.

“Há expectativa, sem dúvida, de que o bom fluxo obtido no segundo semestre do ano passado se mantenha em 2019”, conclui Francisco Turra, presidente da ABPA.

ANUTEC BRAZIL é o ponto de partida para o crescimento da avicultura do País

 O Brasil é líder mundial na produção e exportação de carne de frango. E a ANUTEC BRAZIL, Feira Internacional do Setor de Carnes e Proteína Animal, se posiciona como a principal plataforma de negócios para esse mercado. Grandes players, como Bettcher, Handtmann, Tecmaes, Multivac e Polyclip, entre outros, já confirmaram sua presença na próxima edição do evento, onde vão apresentar as últimas tecnologias em equipamentos para mais de quatro mil frigoríficos de todo o País.

Mais informações sobre o mercado e sobre a ANUTEC BRAZIL estão no site www.anutecbrazil.com.br

Serviço:

ANUTEC BRAZIL

26 a 28 de maio de 2020

Expo Trade Convention Center – Curitiba (PR)

2PRÓ Comunicação
Teresa Silva – teresa.silva@2pro.com.br
Ricardo Berezin – ricardo.berezin@2pro.com.br
Myrian Vallone – myrian.vallone@2pro.com.br
(11) 3030-9463| 3030-9462 | 3030-9404

Assessoria de Imprensa Oficial

Entre em contato com a 2 PRO Comunicação, assessoria de imprensa oficial da ANUTEC BRAZIL, e aproveite este canal de comunicação para divulgar a participação da sua empresa.

IMPORTANTE: Credenciamento de jornalistas e assessores de imprensa será realizado diretamente com a 2Pro Comunicação. Encaminhe um e-mail para Teresa Silva, e-mail: anutec@2pro.com.br

Teresa Silva
Telefone: (11) 3030-9463
anutec@2pro.com.br