Para combater incertezas, empresas de proteína animal investem em novos lançamentos, tecnologia e diversificação


post-thumb


Com presença confirmada na ANUTEC BRAZIL 2020, Poly-clip tem renovado sua linha para grampeamento de embalagens, com foco na segurança e na automação

 

A perspectiva brasileira no agronegócio é uma combinação de otimismo e incerteza. Por um lado, há o entusiasmo com o aumento das exportações de proteína animal – principalmente para países da Ásia, como a China. Por outro, a lenta retomada do consumo interno e a elevação de preço de matérias-primas têm colocado um freio nos investimentos.

 

“Com o consumo retraído, fica difícil justificar novos investimentos. Ao mesmo tempo, com a constante queda da taxa de juros, a esperança é que o setor produtivo reaja, com aquisições de novos equipamentos e abertura de novas posições de trabalho, gerando consumo. Enfim, um ciclo de crescimento sustentável”, afirma Fernando Baldini, gerente de tecnologia da Poly-clip System, empresa confirmada na ANUTEC BRAZIL 2020. “De todo modo, é difícil precisar qual cenário prevalecerá diante das incertezas políticas”.

 

Apesar do período econômico conturbado, a Poly-clip tem conseguido atingir seus objetivos anuais de crescimento e receita – “mas sempre com muitos esforços”, enfatiza Baldini. A resposta da empresa, bem sucedida, consiste em lançamentos de novos modelos de máquinas, com foco na automação e diversificação de portfólio, que permitem atender variados segmentos de mercado.

 

Um exemplo é a evolução que a companhia promoveu em seus equipamentos de grampeamento. A mais recente geração de grampeadoras duplas automáticas (modelos FCAs 50, 60, 80, 90, 100, 120, 140 e 160) tem como diferencial um sistema de novos perfis de grampos, completamente integrado para o fechamento de embalagens flexíveis.

 

“As exigências de melhoria da ergonomia dos equipamentos/processos, minimizando o desgaste dos colaboradores, têm trazido a automação a um lugar de destaque nas empresas frigoríficas”, justifica Baldini. “Algumas etapas podem ser realizadas de forma tão eficiente ou melhor do que o processo manual tradicional e ainda com maior produtividade, higiene e consistência”.

 

Na ANUTEC BRAZIL 2020, a Poly-clip apresentará não só sua linha de grampeadoras de bancada, de fabricação nacional, como máquinas automáticas e semiautomáticas produzidas pela matriz alemã. Exibirá também, em seu estande exclusivo, equipamento de representadas como fatiadoras de embutidos e queijos.

 

Fundada em 1922, a empresa tem operação própria no Brasil desde 1971 e vende seus produtos em mais de 145 países. Além do fornecimento de máquinas grampeadoras, grampos, laços, peças de reposição e serviços de assistência técnica, a Poly-clip no Brasil possui um série de representadas estrangeiras, que oferecem diversas soluções para o setor frigorífico, tais como equipamentos para a desossa e industrialização de suínos, bovinos e aves, processamento térmico e tratamento de efluentes industriais.

 

 


0 comentários em “Para combater incertezas, empresas de proteína animal investem em novos lançamentos, tecnologia e diversificação”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *