Com crescimento da demanda e diversificação das exportações, setor suinícola busca recompor perdas em 2019


post-thumb


O setor suinícola enfrentou diversos obstáculos em 2018: consumo doméstico estagnado, queda das exportações e aumento do custo da ração. A demanda declinante e a oferta estável fez com que o preço da carne suína caísse até 20% no ano. “Para combater a crise, o setor buscou outros mercados e diversificou a carteira de clientes”, aponta balanço da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). “Em 2019, a recuperação da economia brasileira traz a perspectiva de aumento de consumo interno (…), dos preços no médio prazo e alguma melhora nas margens dos produtores”.

 

Segundo pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP, são esperados incrementos nas exportações e redução nos custos de produção. No caso das exportações, dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) indicam que elas podem crescer 7%.

 

O aumento será puxado principalmente por países asiáticos, com destaque para China e Hong Kong. Juntos, de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), os dois países responderam por 40% da carne suína embarcada no primeiro bimestre. Já o mercado da Rússia, reaberto em novembro após embargo, foi o destino de 10,9% das exportações, logo à frente de Angola, com 8,1%.

 

“A forte elevação das vendas de carne suína para a Rússia e para outros mercados aponta para um horizonte otimista nas exportações do setor. Neste contexto de recuperação de vendas, é importante manter fluxo de embarques em diversos mercados, para reduzir a dependência em torno de poucos destinos”, diz Francisco Turra, presidente da ABPA.

 

A produção brasileira, na estimativa da USDA, deve aumentar 3% em 2019. Para a CNA, isso não significa que o setor passará a operar no azul, mas o aumento da demanda, somado à expectativa de safra recorde para o milho, deve recompor parte das perdas dos últimos anos. O preço da carne também deverá subir 3%.

ANUTEC BRAZIL reúne principais fornecedores da suinocultura

 

A suinocultura enxerga 2019 como um ano de recuperação, com alta na oferta e na demanda. E a ANUTEC BRAZIL, Feira Internacional do Setor de Carnes e Proteína Animal, se posiciona como a principal plataforma de negócios para esse mercado. Grandes players, como Bettcher, Handtmann, Tecmaes, Multivac e Polyclip, entre outros, já confirmaram sua presença na próxima edição do evento, onde vão apresentar as últimas tecnologias em equipamentos para mais de quatro mil frigoríficos de todo o País.

 

Mais informações sobre o mercado e sobre a ANUTEC BRAZIL estão no site www.anutecbrazil.com.br

 

Serviço:

ANUTEC BRAZIL

26 a 28 de maio de 2020

Expo Trade Convention Center – Curitiba (PR)

 

2PRÓ Comunicação

Teresa Silva – teresa.silva@2pro.com.br

Ricardo Berezin – ricardo.berezin@2pro.com.br

Myrian Vallone – myrian.vallone@2pro.com.br

(11) 3030-9463| 3030-9462 | 3030-9404


0 comentários em “Com crescimento da demanda e diversificação das exportações, setor suinícola busca recompor perdas em 2019”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *