Tendências de Refrigeração Industrial


post-thumb


A ABRAVA – Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Ventilação e Aquecimento, parceiro confirmado na ANUTEC BRAZIL, fala sobre as novidades para o setor em um artigo exclusivo. Confira:

 

Seguindo as tendências mundiais, as indústrias de refrigeração têm desenvolvido soluções de engenharia para frigoríficos utilizando refrigerantes naturais para um grande range de temperaturas em aquecimento e resfriamento. Os refrigerantes naturais mais utilizados nestas soluções são a amônia (NH3), dióxido de carbono (CO2) e hidrocarbonetos (HC). Estes refrigerantes naturais são aplicados em aquecimento, secagem, fornecimento de água quente, ar condicionado, resfriamento, refrigeração e congelamento em um range de temperaturas de 200℃ a -100℃.

 

Os refrigerantes naturais têm um menor GWP (Global Warming Potentials) do que os hidrofluorocarbonetos (HFCs), bem como zero ODP (Ozone-Depletion Potential), tornando-os refrigerantes ambientalmente amigáveis. A aplicação de refrigerantes naturais e as soluções de engenharia em eficiência energética visam apoiar o desenvolvimento sustentável não afetando a camada de ozônio e diminuindo drasticamente o aquecimento global.

 

Neste caminho o sistema de resfriamento indireto utilizando refrigerantes naturais no sistema primário em instalações de refrigeração industrial tem sido uma ótima solução para a redução do GWP e do ODP.

 

O sistema indireto (Natural) é composto por um sistema de refrigeração (primário) contendo fluido refrigerante natural como a amônia (NH3) ou propano (R290). Este sistema primário de refrigeração é responsável por resfriar um fluido secundário que pode ser água, água-glicolada, água-álcool. Este fluido secundário é bombeado para os processos de resfriamento como câmaras frigorificas, balcões frigoríficos e freezers.

 

A razão principal de optar por um sistema de resfriamento indireto é a eliminação do refrigerante amônia ou halogenado do processo de resfriamento (como as câmaras frigorificas, balcões frigoríficos e freezers) e concentrá-los em pequenas quantidades na sala de máquinas ou em unidades compactas carenadas (unidades que não necessitam de salas de máquinas).

 

Conceito principal do sistema indireto

 

O CO2 por ser um fluido natural de baixo custo e com uma baixa viscosidade dinâmica tem sido uma ótima opção de fluido secundário seguindo a tendência de refrigerantes e fluidos naturais.

 

Vantagens do CO2 como fluido secundário:
• Menor volume de NH3 (redução de 70 a 90%)
• Melhor eficiência energética total entre sistemas CO2 brine x CO2 cascata
• Segurança (menor impacto se há vazamento, benefício no seguro industrial, atóxico, não inflamável, agilidade nas licenças ambientais)
• Menor Impacto ambiental (GWP, ODP)
• Menor impacto no EAR ou PRG (CETESB P4.261)
• Custo de instalação (sistema) mais baixo
• Custo de manutenção mais baixo (custo de reposições de óleo, custo overhaul compressor x bomba)
• Sistema com operação similar ao sistema NH3 bombeado convencional
• Sistema de controle simplificado
• Forçadores com redução de tamanho e peso (redução na estrutura metálica)
• Bombas secundárias com reduções significativas de potência
• Tubulações com redução nos diâmetros
• Sistema secundário isento de óleo
• Sistema secundário isento de ar
• Pressão de CO2 similar ao sistema NH3 convencional

 

Outra tendência do mercado de Refrigeração Industrial é a utilização de Unidades Chiller compactas “carenadas´´com baixa carga de amônia para aplicações em processos e sistemas indiretos para câmaras frigoríficas (resfriamento ou congelamento) e logística (Centros de Distribuição).

 

Estas unidades chiller com baixa carga de amônia podem ter três configurações básicas: Sistema LPR (Low Pressure Receiver), Sistema Combinado (Shell and Plate) e Sistema expansão direta, sendo que a escolha da configuração adequada depende do processo a ser resfriado.

 

• O Chiller LPR consiste em um chiller inundado com evaporador a placas e separador de líquido que trabalha com carga limite de refrigerante, ou seja, pouca quantidade de amônia comparada com um sistema inundado convencional.

 

• O Chiller Combinado (Shell and Plate) consiste em um chiller inundado com um evaporador combinado com o tanque separador de líquido com placas internas e carga de amônia limite resultando em uma ótima eficiência de troca de calor com pouca quantidade de refrigerante.

 

• O Chiller expansão direta consiste em um chiller com evaporador a placas e expansão direta de amônia resultando em pouquíssima quantidade de amônia.

 

• É primordial que se busque soluções que garantam o controle da temperatura a fim de evitar os riscos de contaminação, além de conservar o alimento. Em paralelo, o mercado também tem se preocupado e buscado cada vez mais soluções que foquem na segurança operacional e no meio ambiente.

 

Silvio Guglielmoni – Mayekawa do Brasil – Vice-presidente – Departamento Nacional de Refrigeração Industrial da ABRAVA – Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Ventilação e Aquecimento.

 

Confira todas as novidades do setor na ANUTEC BRAZIL, de 07 a 09 de agosto, no Expo Trade Center, em Curitiba.

 


0 comentários em “Tendências de Refrigeração Industrial”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *